Design, Moda

Viagens inspiram minha segunda coleção

A textura das nuvens me traz a sensação de leveza e conforto, duas palavras que busquei traduzir nos acessórios da segunda coleção que leva meu nome. A paixão por viagens e a busca por conforto para vestir inspirou o desenvolvimento dos acessórios da linha Voo: perfeitos para voar, por sua leveza e praticidade, os lenços em poliviscose podem ser enrolados no pescoço ou envolver o corpo durante a viagem.

1702-7-m

A cartela de cores conta com tonalidades versáteis, e o tecido liso com textura leva informação de Moda aos visuais mais básicos. O atemporal cinza mescla une-se à duas apostas da Pantone para o Verão 2018 compondo um trio fácil de combinar com cores claras ou escuras, no verão e no inverno. Quer coisa melhor para quem viaja entre estações inversas?

O material escolhido, a malha poliviscose, é um tecido sintético que, por absorver menos água, tem como característica a secagem rápida, agilizando lavagens emergenciais ou no próprio quarto de hotel. Com o propósito de eliminar o desperdício, adaptamos o tamanho do nosso acessório para aproveitar 100% do material; e seguindo a proposta slow fashion, a coleção é limitada a trinta peças numeradas.

Além da aba aqui no site, a marca está no Instagram. Quer ver de perto? Entre em contato e visite nosso escritório.

(Foto: divulgação)

Anúncios
Moda, Negócios

Quanto custa

Minha mãe faz tricô com excelência. Quando começamos a conversar sobre o desenvolvimento de produto para a minha marca, ela foi enfática: “Vi no YouTube que o preço do produto é 3X o valor da matéria prima utilizada”. Oi?

Depois do susto comecei a entender um dos motivos da desvalorização do trabalho artesanal. Você do YouTube, que minha mãe assistiu, faça o favor de explicar o fundamento dessa “matemática básica”. Esse cálculo simplista não faz o menor sentido. Explico o motivo.

preco-como-calcular

Um produto é composto por uma série de fatores, tangíveis e intangíveis (leia mais sobre o assunto aqui). Entre as tangíveis estão a matéria-prima, a etiqueta, a embalagem e todas as outras coisas que podemos ver e tocar. Entre as intangíveis estão a ideia, as pesquisas, os testes, o conhecimento necessário para o desenvolvimento, a habilidade de quem executa bem como o tempo de trabalho para produção, para a criação da marca, para a manutenção das redes sociais, atendimento, entrega… Note que os fatores intangíveis vão muito além da matéria-prima, muitas vezes o componente mais barato, e que sem eles não existe produto.

Basear seu preço unicamente na matéria-prima é um erro. Imagine uma almofada de crochê que precise apenas de um rolo de fio de R$10 para ser produzida. Seguindo a lógica que abre esse texto, o preço final dela seria R$ 30. Trinta reais. Com R$ 20 de “lucro” para quem ficará em média um dia todo para produzir, sem contabilizar o restante do trabalho que envolve o desenvolvimento do produto (pesquisa, ideia, tempo e gastos com deslocamento para comprar o fio, o dia de trabalho etc). Acha justo? Eu não. E olha que nem coloquei na conta o custo da embalagem (que por mais simples que seja, custa), da entrega/estande para quem vende em feiras entre outros.

Saber precificar o produto é crucial para o sucesso do negócio. Um negócio precisa gerar lucro para quem faz, caso contrário não vale a pena. É melhor vender menos e lucrar, do que ter volume de vendas sem lucro. Valorize seu trabalho! E, como consumidor, pense em tudo que envolve a criação e produção de um objeto antes de sair por aí ditando o valor “justo” do produto alheio baseado apenas na “ponta do iceberg”. A maior parte dele, e o que o sustenta, não está ao alcance dos olhos.

O Ivy Lemes Escritório de Moda presta consultoria criativa e de planejamento para pequenas marcas do setor de forma presencial ou online. Entre em contato comigo e conheça esse serviço.

(Imagem: Visual Hunt)

Mais

Palpite De Alice na Gazeta do Povo

Em 2013 eu e a fotógrafa Monica Berlitz colocamos no ar uma revista digital produzida “artesanalmente” por nós. Essa semana, ela virou blog. Com a parceria do jornal Gazeta Do Povo, agora fazemos parte do time de blogs do Viver Bem.

Seguindo nossa ideia inicial, de reunir “palpites” de mulheres de diferentes áreas sobre inúmeros temas do universo feminino, o Palpite De Alice reúne vinte colunistas que sabem muito do que estão falando: tem médica, advogada, visual merchandiser, tatuadora, cabeleireira, cantora, triatleta, dentista, psicóloga… Algumas delas estão conosco na capa e matéria do Viver Bem impresso desse final de semana.

vb_menor

vb_menor2

Na última quinta-feira, dia 14 de abril, recebemos nossas colunistas, convidadas e profissionais parceiras em um happy hour delicioso no Núcleo Estilo de Vida da Gazeta Do Povo, para falar sobre o projeto e comemorar essa nova etapa. Agradecemos imensamente à equipe da Gazeta Do Povo, pela oportunidade, atenção e suporte. Agora, é só palpitar!

Na foto, Monica e eu com a diretora da Gazeta do Povo, Ana Amélia Filizola, a colunista (e administradora do Clube Da Alice) Thayza Melo e a gerente do Núcleo Estilo de Vida, Andrea Sorgenfrei. A foto é da Letícia Akemi (Gazeta Do Povo).

alice1

Saiba mais sobre o blog, e sobre nós, em reportagem da Eloá Cruz para o Viver Bem. Na imagem, alguns cliques do evento.

vb_menor3

(Fotos: Letícia Akemi/Gazeta do Povo)