Moda

Detalhes de passarela para o outono/inverno

Das passarelas internacionais, inspirações para investir nos detalhes e deixar o visual de inverno ainda mais interessante não faltam. Com a gola alta como um dos hits da temporada, o styling da Alberta Ferretti combina gola leve (e com babados) com casaco pesado com o colarinho mais alto, enquanto na Antonio Marras a combinação de gola de tricô com gola de pele mistura texturas e referências.

detalhe-inverno-alberta-ferretti-27
Alberta Ferretti fall 2017
detalhe-inverno-antonio-marras-20
Antonio Marras fall 2017

E por falar em pele, a gola de pele, que rouba a atenção por si só, aparece em uma composição interessante que mistura gola alta de malha, colarinho de alfaiataria e tricô no desfile da Nº 21.

detalhe-inverno-n21
Nº 21 fall 2017

As luvas podem ser o ponto focal do look de inverno: o visual p&b da Anteprima ganhou luvas coloridas, e na Bottega Veneta o que chama a atenção é a mistura de texturas do couro das luvas e da carteira. Luvas longas, o acessório perfeito para visuais sofisticados, ficaram ainda mais “ricas” quando combinadas a braceletes com pedras na passarela da Elisabetta Franchi. Gostou? Cuidado! O detalhe não funciona com qualquer look, nem em qualquer ambiente ou horário.

detalhe-inverno-anteprima
Anteprima fall 2017
detalhe-inverno-bottega-veneta-2
Bottega Veneta fall 2017
detalhe-inverno-elisabetta-franchi-39
Elisabetta Franchi fall 2017

O veludo está em alta, e uma faixa nesse material na cintura, ou no cós da calça, pode atualizar peças que já tem no armário; assim como as meias estampadas ou texturizadas (como o modelo arrastão) dão um up no visual aparecendo sob os recortes da calça, sob uma fenda ou entre a barra mais curta da calça e sapatos fechados. A dupla meia de poá com calçado rústico, da Bottega Veneta, é uma boa maneira de contrastar estilos de forma sutil.

detalhe-inverno-giorgio-armani
Giorgio Armani fall 2017
detalhe-inverno-bottega-veneta
Bottega Veneta fall 2017

(Imagens: divulgação)

Comportamento, Marketing & VM, Moda, Moda consciente

Consumo consciente? Fast fashion se destaca em momento de crise

Essa semana o site O Negócio Do Varejo publicou uma matéria sobre o comportamento de consumo no período de recessão. Os dados compartilhados pelo O Negócio do Varejo mostram o que o consumidor de produtos do vestuário está buscando, e como esses anseios refletem na escolha do canal de compra. O aumento da relevância das lojas de departamento, na contramão dos movimentos de slow fashion, é justificada por essas preferências.

customers-on-escalators-in-shopping-mall

Com relação ao design dos produtos o consumidor mostra-se atraído por peças “jovens, despojadas e diferentes”: “Em 2014, 36% dos consumidores informaram que, na última compra, haviam adquirido peças básicas, 17%, jovens, 13%, despojadas e 10%, diferentes. Neste ano, o percentual que se refere a roupas básicas caiu para 30%, subindo os de roupas jovens (27%), despojadas (18%) e diferentes (15%)”. Inovação e diferenciação são apontadas como características que atraem o consumidor, o que os levaria a optar pelas redes de fast fashion e suas araras sempre repletas de novidades.

Em uma análise pessoal, quando fala-se em inovação e diferenciação como pontos importantes na escolha de um item de vestuário, entendo que as lojas de departamento representam o oposto. Além de comercializar produtos com design pouco diferenciado, tanto no ponto de vista estético como em relação às coleções anteriores e às outras redes, os produtos em larga escala não atendem à necessidade de diferenciação. Porém, é importante interpretar esse dado como uma menor preocupação com a qualidade dos produtos: com o fator “novidade” como prioridade no processo de decisão de compra, é justificável o crescimento do fast fashion onde por um preço mais baixo é possível adquirir uma peça com durabilidade suficiente, não necessariamente longa, para ser substituída em breve por um novo modelo.

A conveniência é outro fator que faz com que as lojas de departamento saiam na frente. Segundo Edmundo Lima, diretor executivo da ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), na matéria citada, “o fato de as redes terem produtos para toda a família e para a casa é conveniente para os clientes”. Atreladas à conveniência, a informação e a experiência aparecem como itens observados pelo consumidor. Ações em redes sociais com sugestões de looks, por exemplo, e o “encantamento do espaço da loja” estão cada vez mais relevantes. Nesse aspecto, o alto investimento das redes de departamento aumenta sua vantagem competitiva com relação aos pequenos negócios.

Para fazer frente à isso, a dica do consultor de varejo Michel Cutait, é “melhorar o atendimento, o relacionamento com os clientes e criar ambientes capazes de atrair o cliente e concretizar a venda”. Além disso, acrescento a importância do cuidado com os detalhes, como limpeza e manutenção da estrutura do ponto de venda, e da busca por informação de Moda para reinventar o visual do ponto de venda todos os dias através de novos formatos de exposição e de um styling atraente.

(Imagem: Visualhunt)

+ | Texto de minha autoria originalmente publicado no blog da Cena. Entre em contato para informações sobre produção de moda, styling e consultoria de visual merchandising para empresas de Moda.