Comportamento, Livros, Moda

A vanguarda do ficar, de Paulo Leminski, para repensar a Moda

Dias atrás li um ensaio do Paulo Leminski chamado A vanguarda do ficar. Bem alinhado com uma nova forma de pensar a moda, o texto fala sobre contrariar o que o autor chama de “mudançolatria”.

Quando Leminski afirma, brilhantemente, que “as modas, com sua velocidade paranoica, estão aí para nos consolar da impossibilidade da uma mudança realmente radical das coisas” ele explica a raiz do consumo excessivo: uma válvula de escape para outras frustrações. E quando o autor coloca a arte como sendo um espaço de equilíbrio, onde “vencem sempre os artistas que não mudam“, é possível traçar um paralelo com a forma como entendo a moda: uma maneira de expressão particular através das roupas, que, parte da nossa identidade, não precisam ser substituídas a cada estação.

O que isso quer dizer é que quando somos artistas que “prosseguem fiéis a um projeto original“, ou seja, ao nosso estilo pessoal bem entendido e bem resolvido, deixamos de lado a “mudançolatria”. Só assim é possível mudar o modo como nos relacionamos com a moda e, consequentemente, a forma como consumimos. Não é sobre abandonar a moda, mas sobre saber utilizá-la apenas como acessório para um “mergulho para dentro do maravilhosamente imutável achado perpétuo, aquela coisa, enfim, que justifica uma vida“.

Deixo-os com o ensaio de Leminski e com a certeza de que esse tema ainda vai render muito assunto por aqui.

visualhunt-imagem-jeans

A vanguarda do ficar (Paulo Leminski)

“Esse mundinho explosivo em que vivemos parece favorecer uma certa “mudançolatria”, um culto fervoroso a tudo que seja novo, ou, pelo menos, pareça novo.

Nem vamos insistir no uso abusivo que a publicidade faz da palavra “novo” para qualificar positivamente um produto ou um processo que se quer vender ao respeitável público. Sabemos que, na maior parte dos casos, é um “novo” só de fachada, de aparência, uma apropriação indébita do conceito de “novidade”, já que nosso mundo parece produzir cada vez mais o mesmo tipo de coisas, para obter o mesmo tipo de resultados, da Washington a Moscou, de São Paulo a Pequim, de Havana a Pretória.

O ritmo supremo, a missa dessa Mudançolatria, é esse gesto coletivo chamado “moda”, consagração do efêmero, consagração do passageiro, vitória do tempo sobre o ser. O verde-musgo, campeão da última “saison”, é um cacófato imperdoável na “saison” seguinte, quando o amarelo-ouro e o roxo-crepúsculo reinam soberanos. Os abrigos esportivos, chiquérrimos há um ano, agora são quase uma grosseria, coisa de repertórios decididamente atrasados. A montanha russa entre as coisas “in” e as coisas “out” não pode parar.

Tudo isso está intimamente ligado a um dos mitos mais caros da nossa civilização, o mito do “progresso”, balela inventada por essa classe social que sempre confundiu avanço da humanidade com a prosperidade dos (seus) negócios.

Claro que essa “mudançolatria” só tem vigência no microuniverso dos detalhes, uma vez que os quadros gerais prosseguem sempre os mesmos. É como se a moda, a onda, como se diz, fosse as migalhas da mudança, que realmente mudaria tudo, a vida, as pessoas e as relações entre as pessoas. Em alguns terrenos, as mudanças teriam consequências tão graves que o mais sábio é deixar tudo como está. Inovações tecnológicas, por exemplo, são catastróficas.

Não é segredo para ninguém que a gasolina já poderia ter sido substituída por alguma outra fonte de energia para mover máquinas e motores, caminhões e automóveis. Mas as consequências econômicas e sociais dessa substituição em desemprego, desativamento de parques industriais imensos, decadência de regiões agora prósperas, revoluções de hábitos, nenhuma sociedade tem recursos para fazer frente a uma mudança desse porte. As modas, com sua velocidade paranoica, estão aí para nos consolar da impossibilidade da uma mudança realmente radical das coisas.

Mas existe um território onde a avidez pelo novo pode se exercer sem convulsões sociais extremas. É a chamada “arte”, território, aliás, que nem os mais hábeis cartógrafos culturais conseguiram delimitar em fronteiras reconhecíveis. Na arte, os conceitos de velho e de novo ganham a arena perfeita para os jogos de gladiadores que a Mudançolatria exige. A luta entre os estilos, a guerra entre as tendências, os conflitos entre as escolas, a arte, toda a arte, é uma das artes marciais. Mas não nos iludamos com tanta belicosidade.

É na arte que se restabelece o equilíbrio. Num mundo de tantas mudanças, na arte, por exemplo, vencem sempre os artistas que não mudam. Que prosseguem fiéis a um projeto original. Sonâmbulos de uma miragem primordial. Cegos e surdos a todos os apelos, como Ulisses, de ouvidos tapados, passando diante da ilha das Sereias. É nas horas em que eu penso essas coisas que me lembro de João Cabral de Mello Neto, um poeta que nunca mudou. Cabral descobriu o Brasil, João Cabral descobriu o cristal. E cristais João Cabral vem concretando há mais de trinta anos. Igual. Idêntico. Impecavelmente idêntico a si mesmo.

O próximo nome que me ocorre é, claro, o outro João, o Gilberto, igualmente igual a si mesmo, ao longo de décadas, perseguindo sempre o mesmo som, o mesmo som dentro do som, o mesmo som dentro do mesmo som. Cansei de ouvir, “João não muda”. Que bom! Não muda, João!

Outro é Jobim. Tem uma coisa no Maestro Antônio Carlos que é uma demanda do santo graal, um mergulho para dentro do maravilhosamente imutável achado perpétuo, aquela coisa, enfim, que justifica uma vida. Tiro Jobim, e coloco os Stones. “Os Rolling Stones é sempre a mesma coisa”, vivo ouvindo o pessoal reclamar. Bobagem. Que importa que sejam sempre a mesma coisa, se são inimitáveis, como Jorge Ben e Dalton Trevisan, dois outros imutáveis?

Enfim, este abraço vai para todos vocês que não mudam, que teimam numa nota só, que batem sempre na mesma tecla, que usam sempre a mesma palavra, que pensam sempre a mesma coisa. Ninguém consegue aprimorar a forma do ovo. Ninguém consegue melhorar o gosto da água”.

(Imagem: Visualhunt)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s